Viajei para uma fazenda de banana e isso foi o que descobri

A luz do celular iluminava a sala como se fosse um estádio de futebol.

Confuso, olhei para o relógio, eram 3 da manhã.

Peguei o celular e percebi que tinha várias mensagens do meu chefe perguntando por mim.

Demorei alguns segundos para perceber que o dia havia chegado e que era tarde demais para chegar ao aeroporto.

Há meses ele planejava uma viagem aos lugares mais remotos do litoral colombiano para ir às fazendas de banana e conhecer os encarregados de coordenar o embarque da banana para o Santa Marta para depois exportá-la para todo o mundo.

O mais rápido que pude, me preparei e parti para o aeroporto.

Às 9 da manhã o piloto me recebeu no aeroporto internacional Simón Bolívar de Santa Marta.

Ao sair do aeroporto, a brisa quente e o cheiro do mar me saudaram, junto com Oscar, que teve a missão de me levar do aeroporto a uma fazenda de banana, a 32 km de Santa Marta, escondida entre manguezais e pântanos sem fim.

Quando cheguei lá, conheci Elber, o administrador da fazenda que me deu um tour pela propriedade e orgulhosamente me mostrou o processo pelo qual toneladas de bananas de sua fazenda chegam às mesas em todo o mundo.

Naquele momento, seu celular tocou com uma mensagem do comerciante Bananas, avisando que o contêiner em que ele transportava a tonelada de bananas do dia chegaria em meia hora.

Eu o segui para ter certeza de que tudo estava pronto no momento em que o caminhão com o contêiner chegasse e, pouco tempo depois, seu celular tocou novamente. Desta vez, eles o notificaram de que o caminhão teve um problema na estrada e estava demorando meia hora a mais do que o esperado.

“Este sistema parece mágico que me diz de onde o contêiner está vindo e se algo acontece.”

Eu não pude conter um sorriso.

Essa “mágica” de que Elber fala foi, na verdade, o motivo pelo qual o encontrei na fazenda.

Enquanto para Elber saber de onde vem seu recipiente parece um ato mágico, eu sei que está longe de ser mágica. É tecnologia de ponta, distribuída em cada etapa do processo desde o momento em que o contêiner sai da feirante no Santa Marta, passando pelas centenas de fazendas até retornar ao Santa Marta, onde as bananas são descarregadas e distribuídas ou preparado para exportação.

Para mim, essa magia se chama Twnel.

Enquanto esperávamos um pouco pelo contêiner, Elber muito animado me disse que antes eles se preocupavam muito em não saber de onde o contêiner vinha.

Às vezes ele chegava mais cedo do que o esperado e os caminhoneiros ficavam bravos porque tinham que esperar na fazenda mais tempo do que o esperado. Se, por outro lado, chegasse tarde, corriam o risco de perder parte da colheita, pois as bananas estragam ao sol e a quinta é paga pela qualidade da banana e pelo seu peso.

“Recentemente, a empresa de marketing de banana nos deu essa ferramenta”

Mostrando-me seu celular, ele abriu o aplicativo Twnel e me mostrou algumas das coisas que ele poderia fazer com Twnel.

“Se eu apertar este botão na tela, eles me dizem instantaneamente quanto tempo o contêiner precisa chegar e se eu apertar este outro, posso dizer aos gerentes do Santa Marta que houve uma mudança na quantidade de bananas que nós vão enviá-los. “

Naquele momento, chegou o caminhão com o contêiner que levaria as bananas até o Santa Marta.

Depois de ver como eles faziam todo o carregamento, entre Elber e outros trabalhadores da fazenda, entendi a importância da solução que a equipe Twnel havia construído.

Sempre falamos sobre como estamos capacitando os usuários móveis com o Twnel, mas na época eu estava vivendo isso.

O motorista conseguiu avisar o comerciante, enquanto ele estava a caminho, que ele se atrasaria; E da mesma forma, Elber e sua equipe foram informados em tempo real para evitar desperdícios e, por que não, desconto no pagamento no final do mês.

Quando o caminhão finalmente partiu para o Santa Marta, olhei para o relógio e percebi que precisava ligar para o Oscar para chegar ao aeroporto e pegar o vôo de volta para casa.

Antes de sair, perguntei a Elber se ele recomendaria o uso do Twnel a outros gerentes de fazenda.

Afinal, ele havia viajado para isso, mas entre tantas histórias interessantes ele havia esquecido.

Sem hesitar, ele respondeu que sim. Como normalmente esse tipo de estudo é feito perguntando em uma escala de 1 a 10, sendo 10 a melhor pontuação, repeti a pergunta.

10, ele me respondeu sem hesitação mais uma vez.

“A ferramenta não só melhorou nossa coordenação com a chegada dos contêineres, mas agora temos uma linha direta com a comercializadora de banana e temos um relacionamento melhor com ela”.

Com essa frase na cabeça, fiquei feliz.

Entrei no avião encantado por poder continuar contando histórias como essa. A missão de Twnel não é mais apenas uma frase escrita em uma página da web, era vivê-la.

Ele tinha visto Twnel capacitar centenas de motoristas, merceeiros, comerciantes e agora aliados de fazendas de banana.

Veja mais histórias de empoderamento de aliados pela voz de seus protagonistas aqui.

Copy link
Powered by Social Snap